quarta-feira, 22 de abril de 2015

Não somos todos Verônica



     Nestes últimos dias nos deparamos com a tag #SomosTodasVeronica sendo replicada pelas redes sociais, inclusive pelo deputado Jean Wyllys do PSOL. A tag foi criada pela militância LGBT que transformou em mártir a travesti Verônica Bolina. A militância se comoveu por Verônica ter sido espancada e ter tido o rosto desfigurado supostamente por policiais na prisão, mas em nenhum momento cita o motivo pelo qual a travesti estava presa. Claro que também nos comovemos ao ver as fotos do rosto desfigurado da jovem, porém, Verônica estava detida por ter tentado matar uma idosa de 73 anos, além disso, ela arrancou parte da orelha de um policial. Na opinião deste blog a militância LGBT precisa repensar os seus critérios de escolha para mártir pela causa. É óbvio que nada justifica a violência sofrida pela travesti, mas levando em consideração o crime cometido pela mesma, elegê-la a mártir é exagero.

Postar um comentário